Mais resultados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Mais resultados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Dia historico, Brasil rompe barreira dos 10 segundos nos 100 m com Erik Cardoso

Nada menos do que três velocistas correram a prova em menos de 10 segundos nesta sexta-feira (28/7), no Campeonato Sul-Americano de Atletismo, em São Paulo; Erik quebrou o recorde brasileiro e Asinga Issamade, do Suriname, os recordes sul-americanos e mundial sub-20

Erik Cardoso quebra recorde brasileiro que tinha 35 anos (Foto: Wagner Carmo/CBAt)

Enfim o dia histórico chegou. Depois de 35 anos, o recorde brasileiro e sul-americano dos 100 m, na categoria masculina, foi batido nesta sexta-feira (28/7), durante o primeiro dia de disputas no Campeonato Sul-Americano Adulto de Atletismo, realizado no Estádio do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em São Paulo. E a glória de comemorar o recorde brasileiro coube ao paulista Erik Cardoso com a marca de 9.97 (0.8).

O recorde anterior, de 10.00, era de Róbson Caetano da Silva, desde julho de 1988, marca obtida na Cidade do México. Nesta sexta-feira, o fenômeno Asinga Issamade, do Suriname, de 18 anos, venceu os 100 m com 9.89 (0.8), para tornar-se o novo recordista sul-americano e também mundial sub-20 da distância. O paulista Erik Cardoso, por seu lado, correu 9.97, para tornar-se o primeiro atleta brasileiro a fazer abaixo dos 10 segundos na história. O colombiano Ronal Longa Mosquero ficou em terceiro lugar, com 9.99, seguido de Paulo André Camilo de Oliveira, quarto colocado, com 10.03 em uma prova eletrizante.

Tanto Erik como Ronal e Asinga deixaram a pista qualificados para o Mundial de Atletismo de Budapeste, na Hungria, de 19 a 27 de agosto, e para os Jogos Olímpicos de Paris-2024.

Foi uma prova realmente excepcional. “Fiz o meu melhor e estou muito feliz”, disse Asinga, muito simpático e alegre na conversa com a imprensa logo após a prova. “Sabia que o resultado iria sair, que era questão de tempo”, comentou o melhor corredor colegial da história dos Estados Unidos, que escolheu defender o Suriname.

Na verdade, a maior festa foi feita por Erik Cardoso, abraçado por seus companheiros do SESI-SP, por todos os velocistas do Brasil que estavam no Centro Olímpico, pelo próprio Robson Caetano e pelos adversários, todos emocionados também com a comemoração do público. “Correr abaixo dos 10 segundos era meu objetivo. Só tenho de agradecer a Deus e a Nossa Senhora. Estava me sentindo bem, treinando bem durante toda a semana”, lembrou o velocista, que havia corrido os 100 m duas vezes em 10.01.

Erik, que é treinado por Darci Ferreira da Silva, recebeu o carinho primeiro de seu companheiro de clube Felipe Bardi dos Santos e depois a reverência de Paulo André Camilo, que fez questão de tirá-lo da conversa com a imprensa para comemorar o resultado. “Correr em casa e ter o apoio dos amigos é muito especial. Você sempre sente um frio na barriga. Competi bem no momento certo e o resultado saiu. Saí focado na minha raia, mas ter o atleta do Suriname do meu lado me ajudou também.”

O velocista espera ganhar dois dias de folga após a disputa do revezamento 4×100 m, marcado para às 16:20 deste sábado. “Agora é continuar treinando forte e com foco no Mundial”, completou o paulista de Piracicaba, de 23 anos.

Paulo André, que teve uma torcida particular no estádio, classificou a prova de muito forte. “Dois recordes históricos quebrados. É um momento muito especial. Estou feliz também porque consegui o segundo melhor resultado na minha carreira, depois de ficar um ano e meio afastado”, disse o hexacampeão brasileiro dos 100 m. “Não fiquei surpreso com o desempenho do Erik. Essa marca estava nas pernas dele.”

REVEJA A PROVA que deu ao Brasil a primeira marca abaixo dos 10 segundos nos 100 m.

Nos 100 m feminino, a medalha de ouro foi para Vitória Rosa, com 11.17 (0.7), melhor resultado pessoal do ano (o anterior era de 11.18). “Igualei o recorde da competição e fiquei feliz com a vitória. Foi uma prova forte e a marca mostrou que tenho muito ainda a progredir”, comentou. As equatorianas Ângela Tenório e Aimara Melissa Nazareno ficaram com a prata e o bronze, com 11.30 e 11.38, respectivamente.

A nota triste foi a lesão sofrida por Lorraine Martins na grande final. Qualificada para os 200 m para o Mundial de Budapeste, deixou o estádio de cadeira de rodas, com um desconforto muscular. Ela faria nesta sexta-feira mesmo exames para avaliar a contusão.

ÍNDICE OLÍMPICO – O triplista Almir Cunha dos Santos também teve muito o que comemorar. Almir Jr, como é conhecido, venceu o salto triplo com a marca de 17,24 m, recorde do campeonato, índice para o Mundial e para os Jogos Olímpico de Paris. A marca mínima para o Mundial de Budapeste era de 17,20 m e para a Olimpíada de 17,20 m. Geiner Moreno Chiquillo, da Colômbia, foi o segundo colocado (16,58 m) e Leodan Torrealba Ramos, da Venezulea, o terceiro (16,52 m). “É um começar de novo. Mudei a perna do salto, tive de reaprender a técnica, começando do zero, e agora consigo o índice. Fiquei muito feliz”, disse Almir, que volta a Lisboa, Portugal, para concluir sua preparação ao Mundial de Budapeste.

O Sul-Americano, que tem a participação de 379 atletas de todos os 13 países do continente – Argentina, Bolívia, Brasil. Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela – prossegue até domingo (30/7), com transmissão ao vivo de todas as provas na parceria entre o Canal Olímpico do Brasil, do COB, e a TV Atletismo Brasil, da CBAt.

Mais informações, como resultados completos, sobre o importante evento CLIQUE AQUI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desafio CPB/CBAt de atletismo marca estreia de 114 atletas paralímpicos em 2024 no CT O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, recebe 114

Leia mais »