Mais resultados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Mais resultados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Faltam 500 dias: de Paris 1924 a Paris 2024 em fatos e números

Leia a materia que o Olympics.com apresenta números e fatos que comparam a última edição dos Jogos na capital francesa, em 1924, com os próximos, em 2024. A 500 dias do evento e no intervalo de quase um século, o que é novo, o que é diferente e o que entrou para a história.

Paris vai receber pela terceira vez uma edição de Jogos Olímpicos, em 2024. A primeira delas foi em 1900 e a última vez, há quase um século, em 1924. Desde então o mundo não é mais o mesmo. A tecnologia avançou, mais países surgiram, recordes foram superados, novos e mais campeões foram celebrados. 

Em um espaço de aproximadamente cem anos, alguns esportes deixaram de fazer parte do programa Olímpico, enquanto outros foram incorporados nos Jogos. As instalações são feitas sob medida para extrair o máximo de cada atleta, além de procurar proporcionar a melhor experiência para o torcedor. 

Muito mudou ao longo do século 20 e início do 21, entre Paris 1924 e Paris 2024. As edições Olímpicas são provas da inegável e indiscutível importância da capital francesa para o esporte mundial.

O que há de novo? O que ficou da última edição? O que é diferente e o que entrou para a história? A 500 dias do início de Paris 2024, o Olympics.com reúne fatos e números que comparam os próximos Jogos com os de 1924.

Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos Paris 1924, no estádio Yves-du-Manoir, em Colombes. (Keystone/Hulton Archive/Getty Images)

Os esportes nas duas edições

Os Jogos Paris 1924 aconteceram em pouco menos de três meses, entre 4 de maio e 27 de julho, com 17 modalidades e 126 eventos que valem medalha. Paris 2024 será de 26 de julho a 11 de agosto, com quase o dobro do número de esportes, 32 no total. Serão 329 eventos valendo medalha.

O florete foi o primeiro evento feminino da esgrima no programa Olímpico, introduzido em 1924. Aquela edição foi a primeira com a presença de esportes de demonstração, tendo sido quatro: pelota bascasavate (boxe francês), canoagem e canne de combat, arte marcial francesa semelhante à esgrima em que os competidores usam um bastão (canne).

Paris 1924 foi a última edição do tênis até voltar em Seul 1988. Foi também a última vez do rugby, que era jogado na variante de 15 jogadores, só retornando na Rio 2016, na variante de sete atletas.

A edição de 2024 marca a estreia do breaking nos Jogos.

Número de atletas e a Vila Olímpica

Paris 1924 recebeu 3.089 atletas (135 mulheres e 2.954 homens), muitos deles estiveram alojados na primeira Vila Olímpica organizada em uma edição de Jogos. Ela ficava localizada em Colombes, perto do estádio Yves-du-Manoir, a noroeste do centro de Paris.

Para Paris 2024 são esperados 10.500 competidores, com mulheres e homens em igual número. A Vila Olímpica dos próximos Jogos está localizada a cinco minutos do estádio de Saint-Denis, a sete quilômetros do centro da capital francesa.

Vila Olímpica dos Jogos Paris 1924. (Topical Press/Hulton Archive)

Países participantes em cada edição

Foram 44 Comitês Olímpicos Nacionais (CONs) representados em Paris 1924. Equador, Irlanda, Lituânia, Filipinas e Uruguai enviaram delegações pela primeira vez. Letônia e Polônia também estrearam nos Jogos de Verão, mas meses antes enviaram atletas para os de Inverno, em Chamonix.

Em 2024 são esperados mais de 200 CONs, além da Equipe Olímpica de Refugiados e dos Atletas Olímpicos Independentes.

Alguns recordes em 1924 e os prováveis de 2024

Naquela edição de Jogos em Paris, Paavo Nurmi (FIN) estabeleceu no atletismo os recordes Olímpicos nos 1500m – com 3min53s6 – e nos 5000m, com 14min31s2. As duas provas aconteceram em menos de uma hora. Atualmente as melhores marcas nessas distâncias, em Jogos, são:

Paavo Nurvi (Nº1) em ação em 1924
  • 1500m em 3min28s32, durante Tóquio 2020 e que pertence a Jakob Ingebrigtsen (NOR);
  • 5000m em 12min57s82, durante Beijing 2008 e que pertence a Kenenisa Bekele (ETH).

Outro finlandês, Ville Ritola, fez o recorde mundial nos 10000m, com 30min23s2. Hoje esse tempo é de 26min11s02, estabelecido em 2020 por Joshua Cheptegei (UGA).

A equipe dos Estados Unidos fez recordes mundiais nos revezamentos 4x100m e 4x400m. No primeiro (4x100m), tempo de 41s. Atualmente ele é de 36s84, feito pelo quarteto jamaicano em Londres 2012. No segundo (4x400m), tempo de 3min16s0. Hoje ele é de 2min54s29, mas não mudou de nacionalidade, pertencendo a um time estadunidense, que o conseguiu durante o Mundial de Atletismo de 1993.

Harold Osborn (USA) fez no salto em altura um novo recorde Olímpico, de 1,98m. A marca a ser superada atualmente é de 2,39m, de Charles Austin (USA), feita em Atlanta 1996.

Entre as mulheres, na natação de Paris 1924 a estadunidense Mariechen Wehselau (USA) colocou a melhor marca do mundo nos 100m estilo livre, em 1min12s2. Hoje este tempo é de 51s71, de Sarah Sjoestroem (SWE). Outra nadadora dos Estados Unidos, Martha Norelius (USA) fez o recorde Olímpico no estilo livre dos 400m, com 6min02s2. O melhor tempo em Jogos nesta distância, hoje, é de Katie Ledecky (USA), de 3min56s46.

E em Paris 2024, o que nos aguarda? Quais marcas poderão ser quebradas? No salto com vara, Armand ‘Mondo’ Duplantis (SWE) tem sido uma máquina de fazer recordes. Foi dele o último, no final de fevereiro, durante meeting de atletismo em Clermont-Ferrand, na França: 6,22m. Em termos de comparação, o campeão Olímpico em Paris 1924 nesta prova foi Lee Barnes (USA), com 3,95m.

No salto triplo, Yulimar Rojas (VEN) é o nome a ser batido e poderá fazer ainda mais história na capital francesa ao estabelecer novos recordes.

O masculino dos 400m com barreiras tem proporcionado muitas emoções, com Karsten Warholm (NOR) e Rai Benjamin (USA) – medalhistas de ouro e prata dos últimos Jogos, respectivamente – superando naquela altura o recorde mundial. O bronze foi para Alison dos Santos (BRA), que ficou a apenas 0s02 de igualar o recorde. Menos de um ano depois o brasileiro tornou-se campeão do Mundo.

A equipe masculina de Fiji poderá se tornar tricampeã Olímpica no rugby em Paris 2024 caso obtenha a vaga para os Jogos. No futebol, será que o time masculino do Brasil, caso classificado, poderá entrar para a história com o terceiro título Olímpico e igualar os feitos de Hungria e Grã-Bretanha?

O judô francês é bastante forte e o país é o atual campeão Olímpico por equipes. Em Paris 2024 os franceses competem em casa e terão o apoio do público em busca do topo do pódio em todas as categorias, superando os judocas japoneses que, em 2020, faturaram nove medalhas de ouro.

Harold Osborn (USA) obtém o ouro no salto em altura dos Jogos Olímpicos Paris 1924. (Central Press)

Estádios e instalações

Uma das instalações utilizadas em Paris 1924 será utilizada em Paris 2024. O estádio Yves-du-Manoir, em Colombes, abrigou há quase um século as Cerimônias de Abertura e Encerramento, bem como alguns dos jogos dos torneios de rugby e futebol. Em 2024 ele será utilizado pelo hóquei sobre grama, enquanto rugby e futebol terão outras sedes, entre elas o Stade de France, Parc des Princes e outros estádios espalhados pelo território da França continental, respectivamente.

Em 1924 a vela aconteceu na Normandia, em Le Havre, e também às margens do rio Sena, em Meulan en Yvelines. Em 2024 ela acontecerá em Marselha, na costa do Mediterrâneo. Já a esgrima vai acontecer em um dos lugares mais icônicos de Paris, o Grand Palais, sendo que em 1924 ela aconteceu no velódromo coberto da rua Nélaton, no centro da capital francesa, que serviu para uma trágica prisão em massa durante a Segunda Guerra Mundial. O local foi destruído em 1959.

Em 2024 o surfe estará pela segunda vez nos Jogos e será organizado fora do continente europeu. As ondas de Teahupo’o, no Taiti (Polinésia Francesa), receberão os melhores surfistas em busca da glória Olímpica.

Estrelas de 1924 e as prováveis de 2024

Os grandes nomes de Paris 1924 foram os “finlandeses voadores” Paavo Nurmi e Ville Ritola. Nuurmi é até hoje o único atleta a faturar cinco medalhas de ouro no atletismo em uma mesma edição de Jogos, enquanto apenas Ritola ganhou seis medalhas – também no atletismo – em uma única edição.

A estadunidense Ethel Lackie faturou duas de ouro na natação (100m estilo livre e revezamento 4x100m estilo livre). Duas tenistas dos Estados Unidos fizeram história em Paris 1924: Helen Wills foi ao topo do pódio no simples e nas duplas ao lado de Hazel Wightman, que também foi ouro nas duplas mistas.

Outros astros daqueles Jogos foram Roger Ducret (FRA), com cinco medalhas na esgrima; e Johnny Weissmuller (USA), com três ouros na natação e um bronze no polo aquático.

Em Paris 2024 são vários os nomes que poderão fazer história. Armand ‘Mondo’ Duplantis (SWE) é um deles, no salto com vara. Campeão Olímpico e do Mundo, o sueco também detém é o detentor do recorde mundial. No salto triplo, olhos na venezuelana Yulimar Rojas, duas vezes medalhista em Jogos, ouro em Tóquio 2020 e recordista do mundo.

Na natação, a australiana Mollie O’Callaghan e a sueca Sarah Sjoestroem fizeram um excelente Mundial no ano passado e são grandes favoritas ao título nos próximos Jogos. O’Callaghan já tem três medalhas Olímpicas no revezamento, sendo duas de ouro e uma de bronze. É a atual campeã do mundo nos 100m livre e prata nos 200m. Sjoestroem terminou em segundo lugar em Tóquio 2020 nos 50m livre, mas em 2022 foi ao topo do pódio nessa prova durante o Mundial. Não restam dúvidas que ela vai querer melhorar em Paris o seu resultado feito em Tóquio.

Entre os homens, atenção ao jovem romeno David Popovici, que tem tido uma grande evolução nas últimas temporadas. É o atual campeão europeu nos 200m e 100m livre, com o recorde do mundo obtido na última distância (46s86).

Curiosidades de Paris 1924

Aquela edição de Jogos introduziu pela primeira vez uma Cerimônia de Encerramento do modo como conhecemos hoje, o que envolve o hasteamento de três bandeiras:

  • Bandeira do Comitê Olímpico Internacional;
  • Bandeira do país sede;
  • Bandeira do próximo país sede dos Jogos Olímpicos de Verão.

Paris 1924 ficou imortalizada com o filme “Carruagens de Fogo”, que conta sobre a preparação da equipe Olímpica de atletismo da Grã-Bretanha para o evento. O trabalho venceu o Oscar de 1982 em quatro categorias:

  • melhor filme;
  • melhor roteiro original;
  • melhor figurino;
  • melhor trilha sonora.
Campeão Olímpico em 1924, Johnny Weissmuller (USA) ao centro da foto, também fez carreira no cinema anos mais tarde, ao interpretar o personagem “Tarzan” em diversos filmes.

Uruguai, em sua primeira participação em Jogos, venceu o torneio Olímpico do futebol em Paris 1924. Em referência ao título, uma das quatro estrelas acima do escudo da Associação Uruguaia de Futebol é alusiva àquele ouro. Em homenagem à cidade onde desta conquista, uma das arquibancadas do estádio Centenário, em Montevidéu – lugar da disputa da primeira final de Copa do Mundo FIFA em 1930-, leva o nome de “Colombes”.

É também por conta da conquista dos uruguaios em Paris 1924 que nasceu a expressão “Gol Olímpico”.

Fonte: https://olympics.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desafio CPB/CBAt de atletismo marca estreia de 114 atletas paralímpicos em 2024 no CT O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, recebe 114

Leia mais »